No Colégio e Curso Cenas, o estudante é sujeito ativo no seu processo de desenvolvimento e aprendizagem.

A valorização de cada um, das suas diferenças e de seus saberes, permeia as relações educacionais, pautadas pela ética, cooperação e cultivo da sensibilidade.

Os principais eixos norteadores do nosso trabalho partem do pensamento multidisciplinar – da compreensão do meio natural e cultural a partir de uma atitude investigativa e reflexiva – e da socialização de saberes. Acreditamos que aprendemos a partir das trocas que fazemos com nosso meio.

Cada atividade desenvolvida, em cada série ou segmento, é planejada por uma equipe em constante trabalho de formação para atender às necessidades educacionais exigidas pelo século XXI, sem perder de vista que, antes de tudo, nosso estudante é um ser humano e por isso, além do intelecto, tem emoções e sentimentos, histórias e necessidades distintas.

 

DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

Desde a década de 1990, quando entrou em vigor a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a discussão mais importante no Brasil em termos educacionais reside na contraposição de dois modelos: o tradicional, com base no conteúdo abstrato, e o contextualizado, com enfoque em aplicações concretas do conteúdo que estejam relacionadas ao dia a dia do aluno. Em 2015, o MEC iniciou um processo de reformulação da Base Nacional Comum Curricular aberto para consulta. O texto final pretende padronizar cerca de 60% da educação básica e traz inovações na direção de um ensino ainda mais contextualizado, bastante próximo a estrutura em do nosso  material didático. Outros destaques da Nova Base também estão presentes nas atualizações do material, como o incentivo ao aluno “aprender fazendo” , “Experimentando”, que permeiam todo o Ensino Fundamental em Ciências, bem como a ênfase ao estudo do gênero textual para o estudo da gramática, que aparece desde o letramento até o Ensino Médio. 

O sistema de ensino adotado tem em seu material didático do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio seguindo uma filosofia pedagógica que enfoca a contextualização sem abrir mão do conteúdo. Todos os assuntos partem de um texto motivador, abrangem a teoria de forma aprofundada e terminam com exercícios contextualizados que ilustram aplicações dos conceitos vivenciados no cotidiano. No Ensino Fundamental I, dada a pouca vivência dessa faixa etária, a contextualização não se dá por meio de incentivos externos, como acontecimentos no país e no mundo, mas na própria experiência de vida das crianças. A necessidade de conectar o conhecimento do estudante ao contexto em que ele se insere sempre existiu, no entanto é ainda mais importante no século atual. Deve-se frisar que a contextualização está totalmente de acordo com as principais avaliações que o aluno poderá fazer ao longo de sua vida escolar, como o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Acreditamos que a contextualização deva começar a partir do 1º Ano do Ensino Fundamental, período em que a criança é capaz de adquirir habilidades de leitura e escrita relacionadas a um contexto maior e prosseguir até a conclusão do Ensino Médio. Cada assunto ensinado está sempre associado a uma situação-problema ou a um texto motivador interessante, e isso é feito sem perder de vista uma abordagem aprofundada do conteúdo. O material não apenas motiva o aluno, como também o prepara para o futuro.